Controles internos e compliance: entenda os conceitos e as diferenças

Controles internos e compliance: entenda os conceitos e as diferenças

Com o passar do tempo, as empresas começaram a reconhecer a necessidade de implementar iniciativas para nortear as decisões e o futuro dos negócios e de seus profissionais. Além disso, identificaram a necessidade de assegurar que as ações realizadas estejam alinhadas com a lei e os padrões éticos gerais para cada segmento de empreendimento, respeitando suas particularidades.

Nesse cenário, surgiram os controles internos e compliance. Quer saber os conceitos e as diferenças entre esses procedimentos? Então, continue a leitura!

O que é compliance?

Compliance significa estar de acordo com algum critério ou padrão, incluindo leis, determinações de órgãos fiscalizadores, normas regulamentadoras, melhores práticas e outras regras a serem seguidas.

A participação da alta gestão é fundamental para o sucesso do compliance, visto que ele tem como objetivo assegurar que o negócio e todos os seus participantes estejam em conformidade.

O que é controle interno e qual é o seu papel no compliance?

Enquanto a função do compliance é trabalhar no estabelecimento de regras, nos treinamentos, nos procedimentos rotineiros e na conscientização das normas para as partes interessadas, o controle interno (ou auditoria interna) tem o papel de identificar oportunidades de aperfeiçoamento, colaborando para uma gestão mais precisa e identificando indícios ou a existência de irregularidades na organização.

A auditoria interna é uma função independente das demais áreas da companhia, e tem como objetivo agregar valor ao negócio, utilizando consultorias e avaliações realizadas por meio de um processo sistematizado e disciplinado para verificar os métodos de gerenciamento de riscos, governança e controle interno.

Assim, o controle interno tem como objetivo fazer a avaliação da empresa, conhecendo e administrando seus riscos com base no processo de gerenciamento de compliance, além de identificar possíveis oportunidades de melhorias. Ao realizar a análise da regularidade, o procedimento avalia se as transações foram feitas seguindo as leis, os regulamentos, a política interna, as normas e os demais sistemas.

Por que investir na auditoria de compliance?

Diante do exposto, fica claro que a falta de uma gestão eficaz e, evidentemente, do acompanhamento dos trabalhos, pode fazer com que pessoas maliciosas alterem, fraudem ou deteriorem as normas e os procedimentos estabelecidos pela organização e, principalmente, pela legislação.

Além dos profissionais internos, existem os fornecedores e os parceiros que fazem parte dos processos, e a falha de qualquer um deles pode culminar em faltas graves, procedimentos fraudulentos, questões operacionais e até ameaças à segurança da informação, o que coloca em risco a integridade da companhia.

Como criar uma área de compliance?

A implantação plena de uma área de compliance constitui um trabalho técnico especializado, envolvendo os diversos setores de uma organização e deve ser conduzido por etapas, preferencialmente por profissionais externos e independentes, até a sua conclusão.

Agora que você entendeu o conceito e a importância dos controles internos, confira 3 passos importantes para criar uma área de compliance na sua empresa. Acompanhe!

1. Faça um código de conduta

Com a ajuda de empresas e profissionais especializados, crie um código de conduta. Esse documento deve conter uma linguagem clara para que possa ser compreendido por todos. 

2. Fortaleça a comunicação 

A fim de envolver o público interno e fazê-lo entender a importância do compliance, é preciso divulgar a necessidade de seguir as regras e os procedimentos e fortalecer a comunicação interna. Nesse sentido, crie canais de comunicação com os quais os funcionários possam interagir e denunciar condutas inadequadas.

3. Dê o exemplo

A direção da organização precisa agir com lisura nos procedimentos internos e prezar por ações éticas na competição com o mercado. Além disso, é importante não favorecer parentes e pessoas próximas com benefícios oriundos da companhia.

Finalmente, tenha em mente que a auditoria interna no processo de compliance assume o papel de avaliar se a empresa tem realizado a gestão dos riscos e os controles internos necessários, com o objetivo de identificar constantemente oportunidades de melhorias.

Nesse cenário, é muito importante para as organizações aliar o processo de auditoria de compliance ao de auditoria interna, para assegurar uma gestão íntegra e em conformidade com as normas.

Se você gostou deste post sobre controles internos e compliance, siga-nos no LinkedInFacebook e Twitter para ficar por dentro de mais conteúdos!


Advogado, contador, matemático, auditor e perito contábil. Professor, Especialista em Direito Empresarial, Administração Financeira e Matemática Aplicada. Mestre em Administração de Empresas. Presidente do Grupo Fortes de Serviços.

Compartilhe

Posts Relacionados

Receba novidades por e-mail